segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Direto do túnel do tempo: Tico Torres é entrevistado em 2002


Há exatamente 8 anos, O Bon Jovi lançava o Album Bounce, após um grande sucesso de seu album anterior, que marcava a volta da banda.Os mais mais antigos lembram com carinho desta fase, pois o lançamento do Bounce foi realmente uma amostra de que a Banda continuava ainda mais unida e  gravaria ainda mais CD Ś para a alegria de nós bonjovianos.

Tico Torres é considerado o componente mais focado e tranquilo do Bon Jovi, alegrou a nós brasileiros durante uma entrevista na MTV, realizada pelo lançamento do Crush, quando anunciou que amava o público brasileiro por que realmente eram os únicos que batiam palma com rítmo e foi um dos componentes da banda que se manisfestou referente a produção do Bounce...

Esta entrevista que colocamos hoje no túnel do tempo, foi concedida a revista Modern Drummer durante o lançamento do Bounce em 2002. Tico conta sobre seu trabalho no Bon jovi, o processo de gravação e composições da banda , sobre sua Grife Rock Star baby e também a linha de batérias da Pear que recebeu seu nome. Segue a entrevista:



Entrevista Exclusiva com Tico Torres  do  Bon Jovi


A última vez que falamos com Tico Torres (Novembro de 2000), O Bon Jovi tinha acabado de fazer um retorno triunfal com o seu oitavo álbum,  "Crush" após uma parada para descanso e venda de CD's de sucesso que trouxeram a  venda total do album em mais de 90 milhões de euros. Em 2003, Bon Jovi vão celebrar o seu vigésimo ano de carreira, e com o seu mais recente lançamento, "Bounce", parece que logo eles estarão comemorando a marca de 100 milhões de vendas. 

By: Amendola Billy 

O baterista Tico Torres já esteve a cada passo do caminho com seus companheiros de banda: Jon Bon Jovi, Richie Sambora e David Byran. (Hugh McDonald foi substituído pelo baixista original Alec Such em 1994.) "Nós somos como irmãos", diz Tico orgulhosamente. "Esta é minha família." 

Nós conversamos com Tico, enquanto a banda estava no ensaio se preparando para um show da turnê mundial, que acontecerá no Times Square e será o lançamento da temporada de competições da NFL, uma das maiores festas que Nova York já lançou. 

MD: O novo disco soa mais pesado do que Crush, e parece ter mais de um sentimento vivo.

Tico: Eu acho que é apenas a maneira que nosso estúdio [o Santuário] está configurado. Há um bom poucos overdubs. Mas eu via com todos os instrumentos, embora na maioria das vezes eles serão faixas do zero, exceto para os graves. Então, talvez, que é onde a sensação de viver vem. De lá, é uma camada de bolo. Todo mundo tem direito de usar o grande "sala", que é feito em tambores. É fantástico. 

MD: Usaram alguma canção que sobraram de Crush?
Tico: Não. Nós nunca usamos nada a partir de registros passado. Fizemos cerca de trinta novas músicas demo. 

DM: Quando você ouviu as músicas pela primeira vez, em que estado você estava ao recebe-las? 
Tico: Normalmente quem trás é o Richie e Jon em violões e as  vezes um radiogravador. Não há geralmente nenhuma letra ou melodia feita.
MD: Existe alguma composição de bateria ou alguma sugestão? 

Tico: Não, nada. É uma tela, e eu tenho que começar a adicionar as cores. Nós fazemos isso através do processo de demonstração. De lá é um processo de eliminação e seleção de como ficará o registro. Nós fazemos um lote de dez canções, talvez em um momento. Richie e Jon que os trazem, e em uma ou duas semanas, cuidamos de uma de cada vez e as levámos até onde elas possoam ficar boas e vemos como podemos obtêr bons resultados. Então os dois voltam e escrever um pouco mais. Nós passamos por este processo uma,duas ou três vezes. Agora, dentro deste lote de trinta canções, as melhores sempre brilham. Então deixamos de gravar dezessete ou dezoito delas. O trabalho tem sido feito principalmente em pré-produção, então a partir daí nós realmente temos que atacá-lo e corrigir o que precisamos. 

MD: O ritmo já domina a forma como a música está indo? 

Tico: Bem, é como tudo: Todos os componentes precisam trabalhar juntos. Tentamos músicas rápidas, lentas, e tipo de escape de cada idéia. A palavra "não" nunca entra na conversa no estúdio. Vamos apenas tentando um milhão de coisas até que a canção esteja o que deveria ser e sentimos, o que é bom porque nos dá toda a possibilidade de uma cheia. Quer dizer, pode haver uma ou duas músicas, onde, ritmicamente, é inegável o que é suposmo ser. 

MD: No primeiro single, "Everyday," Eu gosto da maneira como você muda a batida, em seguida, voltar a 2º e 4º, pois você antecipa o que vai ficar no up beat. 

Tico: É, nós não fazemos muito disso, mas é bom arriscar de vez em quando.

MD: Você poderia ter ido com notas 16 no seu chapéu, mas já tem algum tipo de seqüenciamento dando-lhe a nota 16, eu sinto. Eu gosto de como você torna o som mais pesado. 

Tico: Ele torna-nos, caso contrário, poderia ser qualquer um. 

MD: É quase soa como uma canção do disco então.
Tico: Sim, poderia ser. É só colocar o sabor de, incorporando ao que está acontecendo hoje. Uma coisa que tentamos fazer é manter a corrente com a eletrônica e tudo mais, mas ainda manter o nosso som. 

MD: O novo álbum não soa como loop orientado , no entanto.
Tico: O nosso co-produtor, Lucas Ebbin, entrou novamente após um intervalo de quatro ou cinco anos. Ele é um cara jovem, entende de computadores, então ele naturalmente se inclinou em direção de Crush. Seja qual for loops que ele faria eu gravar e fazer um novo ciclo. Isso é bem legal, porque você está usando a tecnologia para melhorar a sua música, em vez de criar em torno dele. Graças a Deus nunca fui na direção onde ele o exige. Eu não teria um par de alças mais ocupado lá desta vez, no entanto. 

MD: Você sente falta de alongamento em uma canção, talvez exibindo um pouco? 

Tico: Eu acho que você vai ver que em um show ao vivo. Essa é uma das melhores coisas em ver uma banda ao vivo: Você começa a ver outras direções. Então acho que dá-lhe outra coisa para ouvir. Além disso, esses caras são compositores forte. Eu acredito nisso também. Eu jogo para a música em vez de tentar ser apenas o baterista . Pelo contrário, eu tento ser um dos músicos na canção. 

MD: Os bateristas novo que você gosta de ouvir? 

Tico: Ah, sim, mas ninguém que eu possa citar. [Risos] Eu sou tão ruim em lembrar bandas e nomes. Mas eu gosto do que eu estou ouvindo. Parece-me que nós fomos para trás cerca de 30 anos em alguns dos sons. A bateria está muito alto e agora um pouco mais Thrash. Guys estão jogando mais e usando intrincados ritmos mais do que o rádio já permitiu. Em algumas das coisas novas que eu vou, "Caramba, eu joguei essa coisa 30 anos atrás", mas ninguém lhe daria um segundo ouvir. Agora trata-se de toda uma vibe diferente - mas eu gosto do que está lá fora. 

MD: Como é a sua arte vem? 

Tico: É bom. Eu não comecei a pintar muito neste ano, mas eu tenho alguns shows chegando, por isso está progredindo. 

MD: Você também tem uma linha de roupas de bebê? 

Linha Rock Star Baby
Tico: É coisa legal para as crianças. É chamado Rock Star Baby, porque acredito que cada bebê é uma estrela - e eles precisam ser parecido com uma também. [Risos] Eu cansei de ver a rosa e azul. Mas foi indo bem. Estamos trabalhando em maneiras de obter global. 

MD: O que você está fazendo para se preparar fisicamente para a próxima turnê? 

Tico: Eu estou começando a trabalhar e buscar o meu acabar, porque nós estamos no palco por cerca de três horas, às vezes. Porque continuamos a gravar um novo material que sempre acabamos ensaiando mais. Nós ensaiamos mais agora do que em anos, o que é bom. É o tipo de você ficar lubrificado para cima. Quando você passar seis horas por trás de um ensaio, você começa a trabalhar esses músculos. Então eu vou sentar e fogueira por uma semana. 

MD: O que isso consiste? 

Tico: Eu vou pegar um kit Gretsch e um pouco de jazz que eu saí Norman Connors nos anos 70, tocando coisas que eu nunca iria tocar no Bon Jovi. Então eu começo sentado com algumas pessoas pela cidade para relaxar os músculos que eu não usaria na música que eu toco normalmente. Que se estende por mim e faz com que seja mais fácil chamar as coisas que sempre que eu precisar. 

MD: O kit que você usou para gravar o novo disco? 

Linha Rock Star baby
Tico: É um MasterWorks Pearl. Cara, isso soa bom kit. A série MasterWorks pode ser qualquer coisa - os diferentes tipos de madeira, de diferentes números de folhas. Acho que é fantástico ter essas opções. 
Também tenho uma assinatura de alumínio tarola que acabou de sair. É quente, mas tem aquele anel de metal para ele. É o melhor dos dois mundos. Eu costumo usar um espectro de som do bumbo, da Rádio Kings to Black Beauties. Mas você sabe o quê? Eu tinha todos eles alinhados pronto para ir, e essa coisa de vencê-los todos. É minha primeira assinatura de bateria, então isso me deixa orgulhoso de colocar o meu nome em algo que realmente funciona. E o melhor teste é lá do que para usá-lo em um disco e dizer: "Isso é tudo." Eu também estou a usá-lo vivo. 

MD: Foi o som gravado ao ar livre? 

Tico: Sim, é uma grande sala. Obie O'Brien projetou e construiu o quarto, e ele é um baterista do caminho de volta, então ele fez para a rítmica. Para mim, o Santuário é tão bom quanto qualquer estúdio. Além disso, tem janelas. [Risos] Ver a progressão do dia - em vez de não saber o que está acontecendo lá fora - eu posso te dizer, é muito libertador. Eu não sei quem inventou o "no windown" coisa no estúdio, provavelmente caras como Hendrix, que costumava começar às 2:00 da manhã. Nos anos 60 e 70, o estúdio era tão escura quanto você pode obtê-lo. 

MD: Quais são algumas das suas músicas favoritas para tocar ao vivo? 
Tico: Eu gosto de "Wanted Dead Or Alive". Tem muita emoção nela. Então, nós temos as canções trashes como "Hey God," que é muito divertido de tocar. "Keep The Faith" é sempre divertido. E eu gosto de poder das baladas nossas, porque, você sabe, eu tenho que me responsabilizar por poucos riffs 

MD: Será que todas as canções do novo álbum lhe darão mais trabalho?

Tico: Não desta vez. "Say It Ain't So", foi a ultima que a partir do último registro, que fizemos. 

MD: Eu lembro de você me dizendo que tentou fazê-la de muitas maneiras diferentes. 

Tico: Buscamos um milhão de coisas diferentes. Então, fizemos uma pausa e voltei e comecei a tocar esse ritmo e  outro, e tudo correu como, "Sim?". Mas posso dizer-lhe que a melhor faixa deste novo álbum foi "Bounce". Isso foi possuidor. Lucas colocou a fita e, em seguida, Hugh e eu fiquei louco. Lembro-me de "Wanted Dead Or Alive" foi também uma tomada. 

MD: Ocorre de ter muitas tomadas?

Tico: Nunca há muitas tomadas. [Risos] Mas eu nunca passei mais de cinco ou seis. Um monte de bandas  escrevem no estúdio. Nós não fazemos isso. 

MD: Isso pode sair caro. 

Tico: É. Essa é uma boa coisa sobre ter seu próprio estúdio. Mas eu não posso ver a gente fazendo isso. Houve algumas vezes em que fizemos uma música tantas vezes que ele perdeu e o seu sentimento. Eu prefiro fazê-lo cedo. Geralmente, as duas primeiras tomadas vão ser o magneto. Depois que eu começo a pensar demais sobre a canção. Nesse caso, você deve deixá-la e voltar a ela outra vez. Mas isso é muito raro para nós. 

MD: A última vez que conversamos você estava dizendo que você gostaria de fazer um disco solo, com alguns sons louco como utensílios de cozinha. Isto ainda é plano? 

Tico: Eu não cheguei a isto ainda. Com a pintura e com o negócio de roupas de bebê, me mantenho tão ocupado. E você sabe o quê? Eu ainda estou aprendendo, ainda estou absorvendo um monte de coisas. Então eu acho que quando chegar a hora, eu vou ser musicalmente e mentalmente maduro o suficiente para atacá-lo do jeito que eu quizer. Eu não estou dizendo que não poderia fazêr agora, mas eu acho que será muito mais fácil quando for hora. E haverá um tempo e lugar para isso, talvez, quando eu não estiver fazendo turnês e discos, quando for a minha vez. 

MD: Como você se mantém motivado após 20 anos? 

Tico: Eu acho que é porque nós ainda gostamos do que fazemos. Eu estive tocando bateria poe 35 anos. Eu adoro fazer isso. Nós amamos fazer isso como uma banda, e se nós não faríamos. Eu posso honestamente dizer-lhe isso. Quando terminamos o album, nós todos gostamos, Nós todos gostamos do último album também. Nós apenas tentamos nos fazer felizes. Nós fomos muito sortudos porque ainda temos um público. E desde que o último album, temos uma nova audiência geral, a partir de doze anos de idade para cima. 

MD: Será que o sucesso do Crush surpreendê? 

Tico: Sim. Para qualquer banda que existe há algum tempo, é como ganhar na loteria quando você pode apelar para uma nova geração inteira. Ficamos muito surpresos. É maravilhoso porque é como se estivéssemos de volta para onde estávemos há  20 anos atrás, só que agora nós temos todo esse conhecimento sob nossas correias. Todos pensavam que íamos morrer antes que o último disco saiu. Há pessoas procurando sempre que  onde você possa tropeçar e se estrangular. Mas a coisa mais inteligente que fizemos foi apenas fazer o que fazemos -  a não ser quando o disco é disco, quando é grunge, porque nós não estamos assim. 

MD: Este novo disco parece estar em vias de ser muito bem sucedido. 

Tico: Obrigado. O clima é bom. As pessoas que a ouvem parecem realmente gostar dele. Eu diria que há quatro ou cinco Hits em que - apesar as pessoas nem  sabe o que é uma Hit mais? Mas o primeiro vídeo é legal. Fizemos isso no Novo México, onde eles têm 27 satélites - grandes coisas que valem bilhões de dólares, o que o governo colocou ali, ouvindo e aguardamos que um ET ou algo assim aparecessem. O conceito é que a nossa música fica telegrafada através destes satélites em todo o universo. Eles fizeram um excelente trabalho de filmagem. Eles poderiam ter usado telas azuis e tudo mais, mas tudo é real. Há algumas imagens incríveis. O único problema é que o vídeo é muito curto. 

DM: Conte-nos sobre essa tempestade no último dia das filmagens. 

Tico: O último dia que filmamos tiveram trovões e relâmpagos ao redor de nós. Estávamos bem no centro dela. Não era sobre nós, mas em torno de nós, e eles continuaram a filmar. Quando a tempestade finalmente chegou, foi como ventos de 60 mph. Parecia tão bom, e parece falso. Mas você não poderia fazer isso até em Hollywood. Foi estupendo. E se o vídeo tinha virado lixo, pelo menos, teríamos tido um bom tempo. [Risos] Mas realmente foi muito bom.

MD: Qual o custo deste vídeo? 

Tico: Com certeza na casa dos milhões -, mas valeu a pena cada centavo. 

MD: Algum conselho para os bateristas que entram no ramo da música? 

Tico: Se você não acompanhar o que você está fazendo, você vai ficar em apuros. Não há nenhum segredo para isso.

Para saber mais sobre a Rock Star Baby clique aqui
Para saber mais sobre a linha de baterias Tico Torres clique aqui


Um comentário:

Dani disse...

Valeu pela entrevista do "meu" Bon Jovi do coração...
Lindas as fotos e aguardo mais novidades do "meu Tico".

Daniela